terça-feira, 17 de junho de 2014

Resenha premiada: livro Fahrenheit 451, Ray Bradbury

   Olá, como passaram a última semana? Espero que bem. Hoje trago a resenha do livro "Fahrenheit 451", escrito por Ray Bradbury, e a primeira promoção do Boteco de Blogueiros.
Resenha, premiada, livro, Fahrenheit 451, Ray Bradbury, resumo, crítica, trechos, sorteio, edição de bolso, capa, Editora Globo
   Publicado pela primeira vez em 1953, é um livro bem famoso, com um nome que me chamava atenção sempre que via em algum lugar. É uma distopia, um gênero que li pouco até hoje.
   "Fahrenheit 451" conta a história de Guy Montag, um bombeiro. Na época em que a história se passa, num futuro, os bombeiros tem uma missão diferente: ao invés de apagar incêndios, eles queimam coisas, principalmente livros.
   "E assim, quando as casas finalmente se tornaram  à prova de fogo, no mundo inteiro, (...) já não havia mais necessidade de bombeiros para os velhos fins. Eles receberam uma nova missão, a guarda da paz de espírito, a eliminação do nosso compreensível e legítimo sentimento de inferioridade: censores, juízes e carrascos oficiais. Eis o nosso papel, Montag, o seu e o meu”.  (página 89)



   Clarisse McClellan é vizinha de Montag, uma garota que tem um jeito diferente de ver as coisas e o mundo atual.
   "- Às vezes eu sou muito velha. Tenho medo de gente da minha idade. Eles se matam entre si. Será que sempre foi assim? Meu tio diz que não. Só no ano passado, seis amigos meus foram mortos a tiros. Dez morreram em acidentes de carro. Tenho medo deles e eles não gostam de mim porque tenho medo. Meu tio diz que seu avô se lembrava de quando as crianças não se matavam umas às outras. Mas isso foi há muito tempo, quando as coisas eram diferentes. Acreditavam em responsabilidade, segundo meu tio." (página 51)
   Ela e o bombeiro conversam algumas vezes, essas conversas fazem com que Montag começe a repensar sua vida, seu mundo, sua profissão. O que teria de tão especial e perigoso nos livros para que eles devessem ser queimados?
   "- Deve haver alguma coisa nos livros, coisas que não podemos imaginar, para levar uma mulher a ficar numa casa em chamas; tem de haver alguma coisa. Ninguém se mata assim a troco de nada." (página 79)
   Esse tipo de pensamento muda a atitude e Montag e o coloca em algumas encrencas, ele não consegue mais exercer sua profissão, se vê sendo perseguido e tendo que fugir.
   "Assim, se ele queimava coisas com os bombeiros, e se o Sol queimava o Tempo, isso significava que tudo queimava!
   Um deles tinha de parar de queimar. Por certo o Sol não pararia. Dessa forma, era como se tivesse de ser Montag..." (página 200)
   A história em si, a sucessão dos fatos, é extremamente simples. O livro é bem pequeno e a leitura é rápida (li em dois dias). O interessante, o que deu destaque a "Fahrenheit 451", é a época em que ele se passa. Um mundo onde as pessoas quase não pensam, levam uma vida esquisita, superficial e mecânica, com perseguições a quem pensa diferente.
   Deu medo de viver numa época dessas. E foi assustador e triste perceber que muito do cenário criado por Ray Bradbury há mais de cinquenta anos, está presente no nosso mundo de hoje.
   Foi encantador ler um livro que fala sobre livros. Sobre a importância deles, um tipo de mídia/comunicação tão especial e infelizmente desprezado por alguns. O trecho abaixo representa bem minha opinião sobre as diferenças entre o livro e a tv (ressalto que gosto de ambos).
   "- Minha mulher diz que os livros não são "reais".
   - Graças a Deus que não. Você pode fechá-los e dizer: 'Espere um pouco aí'. Você faz com eles o papel de Deus. Mas quem consegue se livrar das garras que se fecham em torno de uma pessoa que joga uma semente num salão de tevê? Ele dá a você a forma que ele quiser! É um ambiente tão real quanto o mundo. Ele se torna a verdade e é a verdade." (páginas 122 e 123)
   "Fahrenheit 451" tem diversos trechos interessantes que copiei para poder reler sempre, abaixo deixo mais alguns dos que gostei (enchi o livro de marcadores de página) :
   “– Todos devem deixar algo para trás quando morrem, dizia meu avô. Um filho, um livro, um quadro, uma casa ou parede construída, um par de sapatos. Ou um jardim. Algo que sua mão tenha tocado de algum modo, para que sua alma tenha para onde ir quando você morrer. E quando as pessoas olharem para aquela árvore ou aquela flor que você plantou, você estará ali. Não importa o que você faça, dizia ele, desde que você transforme alguma coisa, do jeito que era antes de você tocá-la, em algo que é como você depois que suas mãos passaram por ela. A diferença entre o homem que apenas apara gramados e um verdadeiro jardineiro está no toque, dizia ele. O aparador de grama podia muito bem não ter estado ali; o jardineiro estará lá durante uma vida inteira.” (páginas 220 e 221)

   “Os livros eram só um tipo de receptáculo onde armazenávamos muitas coisas que receávamos esquecer. Não há neles nada de mágico. A magia está apenas no que os livros dizem, no modo como confeccionavam um traje para nós, a partir de retalhos do universo." (páginas 120 e 121)

   "Os bons escritores quase sempre tocam a vida. Os medíocres apenas passam rapidamente a mão sobre ela. Os ruins a estupram e a deixam para as moscas. Entende agora por que os livros são odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida. Os que vivem no conforto querem apenas rostos com cara de lua de cera, sem poros, nem pelos, inexpressivos." (página 121)

   Talvez meu trecho preferido, sobre a magia dos livros:
   "Os livros servem para nos lembrar quanto somos estúpidos e tolos. (...). A maioria de nós não pode sair correndo por aí, falar com todo mundo, conhecer todas as cidades do mundo, não temos tempo, dinheiro ou tantos amigos assim. As coisas que você está procurando, Montag, estão no mundo, mas a única possibilidade que o sujeito comum terá de ver noventa e nove por cento delas está num livro" (página 125)

   A edição que li é uma edição de bolso da Editora Globo; as páginas são amareladas, o tamanho das margens é bom e as letras tem um tamanho que permite fazer a leitura confortavelmente (como vocês podem ver na imagem abaixo). Essa edição vem com um posfácio bem interessante do autor, onde ele fala sobre o que o levou a escrever o livro, como ele foi escrito, sua opinião sobre edições censuradas, etc.
Resenha, premiada, livro, Fahrenheit 451, Ray Bradbury, resumo, crítica, trechos, sorteio, edição de bolso, capa, Editora Globo, globodebolso
   Detalhes: 256 páginas, ano da edição: 2012, ISBN: 9788525046444, Skoob. Onde comprar online: Livraria Cultura, Saraiva.

   "Fahrenheit 451" é um livro que recomendo, todos deveriam ler e refletir sobre como evitar que o cenário criado por Ray Bradbury se torne real.

   Sorteio:
   É tão recomendado que vou sortear um exemplar para vocês. Esta resenha foi publicada simultaneamente nos blogs Pétalas de Liberdade e Boteco de Blogueiros, o sorteio é uma parceria entre os dois blogs.
   Prêmio: 1 exemplar novo do livro "Fahrenheit 451".
   Inscrições até 17/07/2014; resultado: 18/07. Entrarei em contato com o vencedor por e-mail, ele terá uma semana para responder passando seu endereço para entrega do prêmio ou o sorteio será refeito. O prêmio será enviado por mim em até 30 dias.
   Como participar:
   - Curtir as páginas dos blogs Pétalas de Liberdade (www.facebook.com/petalasdeliberdade) e Boteco de Blogueiros (www.facebook.com/botecodeblogueiros) no Facebook.
   - Ter endereço de entrega no Brasil.
   - Preencher o formulário abaixo com seu nome, link do perfil no Facebook e e-mail para contado.
   Chances extras:
   - Compartilhar publicamente a imagem da promoção (link da imagem), pode compartilhar mais de uma vez e a cada compartilhamento preencha o formulário mais uma vez.
   - Comentar na resenha no Pétalas de Liberdade ou no Boteco de Blogueiros (só vale um comentário em cada resenha, pode comentar nas duas). No campo chance extra coloque o nome que usou para comentar.
   - Seguir o Pétalas de Liberdade e/ou o Boteco de Blogueiros pelo Google Friend Connect. Preencha o fomulário mais uma vez colocando o seu nome de seguidor no campo chance extra (se seguir os dois, preencha duas vezes).
   - Me seguir no Twitter (twitter.com/marijleite) e twettar a frase: " Participe do #sorteio do #livro "Fahrenheit 451" (Ray Bradbury) no blog da @marijleite: http://petalasdeliberdade.blogspot.com/2014/06/resenha-premiada-livro-fahrenheit-451.html . "  Preencha o fomulário mais uma vez colocando o link do seu twette no campo chance extra (pode twettar quantas vezes quiser, mas apenas uma por dia).
   - Me seguir no Instagram (instagram.com/marijleite).  Preencha o fomulário mais uma vez colocando o link do seu perfil  no campo chance extra.
   

   Alguma dúvida? Boa sorte!
   Espero que vocês tenham gostado da resenha e que participem do sorteio, quem aí já leu "Fahrenheit 451"?
   Boa sorte!
   Até semana que vem!

   Post Atualizado
   Resultado do Sorteio
   Parabéns Silvana Crepaldi! Você cumpriu as regras direitinho e foi a vencedora. Enviei um e-mail para você, espero sua resposta dentro de uma semana ou o sorteio será refeito.
   Obrigada pela participação de todos!

Maria (blogTwitterfanpage, G+Instagram)

9 comentários:

  1. Quero muito esse livro, participando!!!

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito da resenha, estou há tempo querendo ler esse livro, comprei em uma promoção há um tempão e fiquei adiando a leitura, mas nessas férias vou ler! Fico feliz que tenha sido uma leitura rápida, espero que seja assim pra mim também haha
    Participando do sorteio! :D

    ResponderExcluir
  3. Ótima resenha. A história parece ser interessante.

    ResponderExcluir
  4. Adoro ler e escrever, mas será que tenho chance de ganhar esse livro? snif, snif

    ResponderExcluir